segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Após prorrogação de tirar o fôlego, Brasil Kirin vira contra Orlândia e conquista a Liga Futsal

Após derrota no tempo normal que forçou a prorrogação, gol de Adriano Foglia dá vitória heróica por 4 a 3 ao Brasil Kirin, que, comandado por Falcão, ganha seu primeiro título da Liga


De Belo Horizonte.
Por João Vítor Marques.

08/12/2014 – A vitória por 4 a 2 na primeira partida sem o craque Falcão dava confiança ao Brasil Kirin/Umbro para o jogo de volta da final da Liga Futsal 2014, nesta segunda-feira, contra o Intelli/Orlândia. Um simples empate garantiria o título. No entanto, o que se viu no Sabiazinho, em Uberlândia (MG), foi um jogo de amplo domínio do Orlândia. Comandada por Jackson, a equipe se aproveitou do mando e da contusão que ainda incomodava o camisa 12 adversário para vencer com tranquilidade por 5 a 2 e levar a decisão para a prorrogação. No tempo extra, não faltou emoção: com muita correria e ótima participação do goleiro Guitta, o Orlândia, que só precisava de um empate, abriu vantagem dois gols em duas situações (2 a 0 e 3 a 1). Mas brilhou a estrela do gênio. Falcão, artilheiro da liga com 19 gols, fez o gol que levou um placar reversível para a segunda etapa. Nos cinco minutos finais, Xuxa e Adriano Foglia viraram a partida para 4 a 3 e garantiram, na raça, o título inédito para a equipe sorocabana após noite de 14 gols.

Falcão e Rodrigo seguram a taça.
(Foto: Divulgação/Futsal Brasil Kirin)

Quando a bola rolou...

Mesmo sem Falcão entre os cinco titulares, o Brasil Kirin começou a partida com mais força ofensiva, aproveitando a formação leve que mandou para quadra. Por duas vezes, a equipe desperdiçou cobranças de falta nos arredores da área defendida por Guitta. A partir daí, o Orlândia tomou conta do jogo. Cabreúva e Jackson arriscaram de longe, mas esbarraram na falta de pontaria e em boa defesa de Tiago.

Se o Brasil Kirin não aproveitava as bolas paradas, Orlândia fez delas sua principal arma no primeiro tempo. Após cobrança de lateral pela direita, Jackson pegou no alto, de primeira, e acertou o canto direito de Tiago para abrir o placar, aos 8. A pressão da equipe mandante seguiu e obrigou Vander Iacovino parar o jogo, a cinco minutos do fim. E o tempo técnico funcionou. Logo na sequência, Tiago, jogando de goleiro-linha, carregou a bola no ataque sem ser incomodado pela marcação e empatou o jogo com um chute entre as pernas de Guitta. Com o 1 a 1, o título ia para o Brasil Kirin. Mas não deu nem tempo de comemorar. Um minuto depois, Dieguinho aproveitou nova bola parada e completou cobrança de escanteio pela direita para desempatar o jogo. Orlândia 2 a 1.

Com Falcão mais presente em quadra, o Brasil Kirin voltou mais ofensivo para a segunda etapa. Xuxa chegou bem após roubada de bola, mas não conseguiu empatar. O Orlândia tentava aos poucos equilibrar o jogo, que foi se arrastando, num ritmo lento. E foi num contragolpe puxado por Jackson, em grande noite, que Cabreúva aumentou a vantagem, aos nove minutos. O ala só completou assistência açucarada do camisa 2 e marcou o terceiro. Jackson ainda deu passe para o gol de Vinícius, que recebeu pela direita e bateu no canto para marcar o quarto, aos 16.

Em busca do empate que lhe daria o título, Vander Iacovino insistiu com Falcão como goleiro-linha. Mas a pressão só funcionou a pouco mais de um minuto para o fim. O camisa 12 bateu tiro livre originado da sexta falta cometida pelo Orlândia – uma a mais que o limite - para marcar seu 18º gol na Liga e se tornar o artilheiro isolado da competição. 4 a 2. Apesar da empolgação do Brasil Kirin, a esperança de resolver o jogo logo no tempo normal não durou muito. Pouco tempo depois, Renan completou para as redes bom passe do pivô Lukaian e decretou a prorrogação. 5 a 2, uma vitória para cada lado.

No tempo extra, mais emoção

O fato de jogar pelo empate para garantir o título, por ter melhor campanha, não fez com que o Orlândia recuasse. Num ritmo alucinante, a equipe mandante abriu o placar aos 12 segundos com Marinho, que aproveitou ligação direta de Guitta. E o segundo não demoraria a sair. Em novo lançamento de Guitta, Caio aproveitou a demora do goleiro-linha Falcão e completou para as redes vazias. Com grande vantagem, o tricampeonato parecia muito perto para o Orlândia. Mas a correria do Brasil Kirin logo deu resultado em jogada pelo alto finalizada por Rodrigo, que cabeceou para o gol cruzamento de Adriano Foglia. Sem tempo de respirar, Marinho fez mais um para os donos da casa. Quando a situação parecia irreversível, brilhou a estrela do craque: Falcão marcou belo gol de canhota, no ângulo, e levou o 3 a 2 para os cinco minutos finais de prorrogação.

Jogando o tempo todo com o goleiro-linha e se atirando para o ataque, o empate do time de Sorocaba saiu com Xuxa. O ala aproveitou rebote de chute de Adriano Foglia e marcou o terceiro, após bate-rebate. Mas ainda faltava um para o Brasil Kirin. Falcão fez boa jogada, pisou na bola para dominá-la e bateu firme, para bela defesa de Guitta. A tarefa sobrou então para Adriano Foglia. O camisa 11 aproveitou ótima lance de Rodrigo no fundo e bateu à queima roupa para virar o jogo para 4 a 3, a menos de três minutos do fim. O Orlândia ainda tentou, usou Jackson como goleiro-linha, mas não conseguiu impedir o título inédito – e emocionante – do Brasil Kirin.

A caminhada até o título

Após terminar a primeira fase da Liga em 5º, com 32 pontos e um aproveitamento de quase 60%, o time de Falcão disputou o Grupo D da segunda parte do torneio. Ao lado de Blumenau/SCF, Assoeva/Unisc/ALM/Venax e Atlântico, o Brasil Kirin venceu duas partidas e empatou outras quatro, terminando em 1º na chave. As quartas de final reservaram novos duelos contra o Blumenau. Após partida dura que terminou num empate por 4 a 4, a equipe venceu em casa por 2 a 1 e garantiu vaga nas semi. 

Já tendo cumprindo a meta estabelecida pelos dirigentes, o Brasil Kirin fez duelos duros contra o forte Jaraguá: derrota por 3 a 2 na ida, e vitória por 3 a 1 na volta que garantiu a classificação. Na final, o adversário era outro velho conhecido de Falcão. O triunfo por 4 a 2 na primeira partida deu confiança à equipe. No jogo do título, não faltou emoção. Após perder por 5 a 2 no tempo normal e estar atrás por dois gols de diferença na prorrogação, Falcão e Foglia fizeram a diferença e deram o troféu para o Brasil Kirin: 4 a 3.

Ficha do jogo:

Intelli/Orlândia 5 (3)x(4) 2 Brasil Kirin/Umbro

ORLÂNDIA:
Começaram: Guitta, Cabreúva, Ciço, Vinícius e Caio
Entraram: Marinho, Junai, Jackson, Gadeia, Dieguinho, Diece, Lukaian, Renan e Di Fanti
Técnico: Cidão

BRASIL KIRIN: 
Começaram: Tiago, Ricardinho, Tatu, Bruno Souza e Mauricinho
Entraram: Rodrigo, Falcão, Xuxa, Rafa, Fellipe Mello, Adriano Foglia e Pimpolho
Técnico: Vander Iacovino

Local: Ginásio Sabiazinho, em Uberlândia (MG) 
Data: 08/12/2014 
Horário: 19h (de Brasília)

Gols: Jackson, aos 7, e Dieguinho, aos 15 minutos do primeiro tempo, Cabreúva, aos 9, Vinícius, aos 16 e Renan, aos 19 minutos do segundo tempo (ORL); Tiago, aos 15 minutos do primeiro tempo, Falcão, aos 18 minutos do segundo tempo (BRA)
Prorrogação: Marinho, aos 12 segundos e aos 4 minutos do primeiro tempo, e Caio, aos 49 segundos do primeiro tempo (ORL); Rodrigo, aos 3 minutos, e Falcão, aos 3 minutos do primeiro tempo, Xuxa, aos 10 segundos, e Foglia, a 1 minuto do segundo tempo (BRA).

Arbitragem: Flávio Marques (PR) e Sérgio Dionísio da Silva (SP)

Cartões amarelos: Guitta e Jackson (ORL); Fellipe Mello (2), Xuxa e Falcão (BRA)

Cartão Vermelho: Fellipe Mello (BRA)

0 comentários :

Postar um comentário