terça-feira, 29 de julho de 2014

Dia de sorte

Nacional perde para Defensor, mas fica à frente no agregado e vai à final da Libertadores

De Belo Horizonte.
Por Júlia Alves.

29/07/2014 - O segundo jogo da semifinal da Taça Libertadores foi de um time só, o Defensor. A equipe uruguaia superou o Nacional-PAR por 1 a 0, no estádio Centenário, em Montevidéu. Entretanto, a vaga na final é decidida em 180 minutos. O Nacional executou melhor o seu dever de casa na última semana, quando venceu por 2 a 0, foi superior no agregado e está garantido na grande decisão pela primeira vez na história. A sorte esteve do lado da equipe paraguaia, que se abdicou de jogar e tomou sufoco do início ao fim. Os donos da casa foram muito superiores no segundo confronto, porém, não foram eficientes para construir o placar necessário. O time uruguaio criou muito mais, chutou duas vezes na trave, uma delas aos 45 minutos do segundo tempo, mas a bola teimava em não entrar e o Defensor acabou eliminado da competição.

O Nacional aguarda a confirmação do seu adversário, porém, ao que tudo indica, será o San Lorenzo, que venceu o Bolivar por 5 a 0 no jogo ida. A segunda partida entre San Lorenzo e Bolivar será nesta quarta-feira, às 21h15, no Hernando Siles, em La Paz.

Foto: AFP

O jogo

Foi só a bola rolar que a postura dentro de campo dos dois times ficou muito bem definida. Precisando reverter o resultado, o Defensor tomava iniciativa na partida e o Nacional, muito bem postado defensivamente, propunha-se a jogar apenas nos contra-ataques. A equipe uruguaia possuía o controle do jogo, entretanto, encontrava muita dificuldade para infiltrar na defesa adversária por meio do toque de bola e acabava insistindo em bolas alçadas na área. Dessa maneira, as melhores oportunidades foram criadas em jogadas aéreas.  

Os donos da casa começaram a partida sufocando os adversários. Aos cinco minutos, Gedoz cobrou falta da direita, a bola foi desviada e o goleiro foi no cantinho para espalmar para escanteio. Na cobrança de tiro de canto, Olivera quase abriu o placar em um bate-rebate na pequena área. Na sequência, Gedoz cobrou novo escanteio, a bola passou pela boca do gol, mas De Arrascaeta não alcançou para finalizar.

Com o passar do tempo, o ritmo do jogo caiu. O Nacional, muito fechado em seu campo, queria mais é que o tempo passasse e mal chegava ao gol defendido por Campaña. A boa marcação do time paraguaio acabava anulando os principais jogadores do Defensor, que não conseguia criar oportunidades claras. Quando o talento individual da equipe do uruguaia apareceu, o goleiro Don interveio bem. Aos 41 minutos, Gedoz lançou de trivela para De Arrascaeta, que tocou de cabeça e obrigou Don fazer grande defesa.

Na segunda etapa, o Defensor veio para o tudo ou nada, passando a armar melhor as jogadas e finalizar com mais qualidade. Essa postura não demorou surtir efeito e o time da casa abriu o placar. Aos seis minutos, após cruzamento para área, Olivera chutou forte de primeira levando muito perigo. Três minutos depois, De Arrascaeta cruzou rasteiro da direita e Luna, de cara para o gol, escorou para o fundo das redes.

Mesmo atrás no marcador, o Nacional continuava se abdicando de atacar jogando com o placar agregado. Os uruguaios, por sua vez, chegaram muito perto do segundo gol. Entretanto, a sorte e a trave estavam do lado dos paraguaios nessa noite. Correa cruzou, aos 23 minutos, Luna rolou para Olivera, que soltou ao pé e a bola saiu tirando tinta do travessão. No lance seguinte, Gedoz chutou colocado e acertou a trave de Don; na sobra, Arias bateu de chapa e mandou para fora. Quatro minutos depois, Arrascaeta recebeu na meia-lua, chutou e goleiro se esticou para defender. Aos 35 minutos, Gedoz arrancou pela esquerda e bateu cruzado; Don caiu para fazer a defesa e quase desviou a bola para dentro do gol.

Mal na partida, o Nacional tentava de tudo para que o tempo passasse mais rápido e o seu adversário não pudesse o ameaçar. Mas os uruguaios queriam jogo e só não chegaram o gol porque tinha um travessão no meio do caminho. Aos 45 minutos, Arrascaeta colocou na área, a bola ficou viva na pequena área e Herrera mandou no travessão. Por mais que o Defensor tentasse, a bola teimava em não entrar. Dessa maneira, o time da casa foi muito superior, porém, não conseguiu construir o resultado para se classificar para a final da Libertadores.

Ficha técnica:

Defensor-URU 1x0 Nacional-PAR

DEFENSOR:
Campaña; Arias, Correa, Malvino e Herrera; Fleurquin, Cardaccio (Adrián Luna), Gedoz (Facundo Castro), De Arrascaeta e Nicolás Olivera; Ignacio Risso (Joaquín Boghossian).
Técnico: Fernando Curutchet

NACIONAL:
Ignacio Don; Ramón Coronel, Raúl Piris, Leonardo Cáceres e David Mendoza; Marcos Melgarejo, Marcos Riveros, Silvio Torales e Derlis Orué (Marcos Miers); Julián Benítez (Fabián Balbuena) e Brian Montenegro (Freddy Bareiro).
Técnico: Gustavo Morinigo

Local: Estádio Centenário, em Montevidéu (URU)
Data: 29/07/2014
Horário: 21h15 (de Brasília)

Gol: Adrián Luna, aos 10 minutos do segundo tempo

Árbitro: Ricardo Marques (Brasil)
Assistentes: Marcio Santiago (Brasil) e Cléber Lucio Gil (Brasil)

Cartões amarelos: Matias Malvino, Ramón Arias e Nicolás Correa (Defensor); Freddy Bareiro e Marcos Riveros (Nacional)

0 comentários :

Postar um comentário