quinta-feira, 31 de julho de 2014

Desencantou

Com gol de Pato, Tricolor interrompe série ruim na temporada e volta a vencer pela Copa do Brasil.

De Belo Horizonte.
Por Márcio Júnio.

31/07/2014 - As duas últimas derrotas no Brasileiro não abalaram o Tricolor Paulista na busca pelo título inédito. Com o foco voltado para a Copa do Brasil, os são-paulinos esqueceram a má fase no Brasileirão, onde, após duas derrotas, o time saiu do G-4 para a oitava posição e abriram a terceira fase com vitória nesta quarta-feira (30). Mesmo sem Kaká, Alan Kardec e Antônio Carlos, Alexandre Pato desencantou e aproveitou a chance, marcando um dos gols da vitória por por 2 a 1, cobrando pênalti. O Bragantino mandou o jogo no estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto. Com o resultado, o time fica mais próximo da classificação às oitavas de final, podendo perder por até um gol de diferença no jogo de volta, dia 13, no Morumbi, às 22h (de Brasília).

Penúltimo colocado da Série B, o Bragantino não facilitará as coisas para o time da capital. Após eliminar o Figueirense, nos pênaltis, na segunda fase da Copa do Brasil, a competição se tornou a área de escape para o time de Bragança Paulista. A intenção é conseguir a classificação para acalmar os ânimos e ter um gás extra para sair da zona de rebaixamento do Brasileirão. Pela Segundona, o Bragantino encara o Joinville no sábado, às 16h20, no Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista. No mesmo dia, mas às 18h30, o São Paulo recebe o Criciúma no Morumbi, pela Série A.

Pato voltou a marcar pelo Tricolor. Ele não marcava desde o dia 21 de maio, quando fez contra o Fluminense.
(Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net)

O jogo

O São Paulo começou bem com a cara de Muricy Ramalho, cadenciando o jogo com muita paciência, mas com pouca efetividade. Os 84% de posse de bola no primeiro tempo e apenas 1 a 0 no placar falam por si só.

E mesmo assim, o gol que saiu foi contra. Aos 16 minutos, após escanteio cobrado por Alexandre Pato, o lateral-esquerdo Bruno Recife subiu e cabeceou contra a própria meta. O goleiro Renan tentou, mas não conseguiu chegar. Os jogadores são-paulinos correram ao encontro de Rodrigo Caio, que levantou as mãos mostrando ser inocente, ou melhor, não ter encostado na bola. Os companheiros de Bruno Recife reclamaram que o lateral teria sido empurrado, mas o lance foi normal.

No segundo tempo, a equipe de Bragança Paulista demonstrou que não estava satisfeita com o resultado e voltou com tudo. Partindo pra cima nos primeiros minutos, quase chegou ao empate antes dos 10 minutos. Após saída de Rogério Ceni, Álvaro Pereira falhou e Luisinho finalizou, mas o experiente goleiro conseguiu se recuperar e fez uma bela defesa.

A pressão do time da casa durou até os 20 minutos. O São Paulo voltou a encaixar o seu jogo e o toque de bola prevaleceu. Aos 31, gol de Pato. O árbitro deu pênalti polêmico em Álvaro Pereira. O lateral subiu para cabecear e foi empurrado por Robertinho. Rogério Ceni pegou a bola, mas entregou para Pato. E o atacante não desperdiçou e ampliou. Já nos minutos finais, o Bragantino descontou. Após boa jogada de Léo Jaime, que entrou no segundo tempo, Luisinho marcou para o Massa Bruta. O gol dá uma esperança a mais para os torcedores do Braga.

Ficha do jogo:

Bragantino 1x2 São Paulo

BRAGANTINO:
 Renan; Robertinho, Alexandre, Tobi e Bruno Recife, Francesco, Geandro, Gustavo (Leo Jaime) e Magno (Sandro); Antônio Flávio, Cesinha (Nunes) e Luisinho.
Técnico: PC Gusmão

SÃO PAULO:
 Rogério Ceni; Paulo Miranda, Rodrigo Caio, Rafael Toloi e Álvaro Pereira; Souza e Maicon; Douglas, Ganso e Ademilson; Alexandre Pato.
Técnico: Muricy Ramalho

Local: Estádio Santa Cruz, em Ribeirão Preto (SP)
Data: 30/07/2014
Horário: 22h (de Brasília)

Gols: Luisinho, aos 38 minutos do segundo tempo (BRA); Bruno Recife, aos 16 (contra) minutos do primeiro tempo, e Alexandre Pato, aos 31 minutos do segundo tempo (SPO)

Árbitro: Thiago Duarte Peixoto (SP)
Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho (Fifa-SP) e Fábio Rogério Baesteiro (SPO)

Cartões Amarelos: Robertinho, Tobi, Alexandre, Francesco e Nunes (BRA); Rodrigo Caio e Álvaro Pereira (SPO)

0 comentários :

Postar um comentário