sábado, 14 de junho de 2014

Pintou a zebra

No grupo da morte, Costa Rica vence o Uruguai e complica a situação da seleção celeste

De Belo Horizonte.
Por Júlia Alves.

14/06/2014 - No grupo da morte, a Costa Rica está mais viva do que nunca. Antes da Copa do Mundo começar, a seleção costarriquenha era apontada como o saco de pancadas do Grupo D, composto também pelos campeões mundiais Uruguai, Itália e Inglaterra. Entretanto, a seleção da América Central surpreendeu a todos com um futebol envolvente diante do Uruguai no Castelão e conseguiu uma vitória indiscutível, por 3 a 1. Os uruguaios, muito apáticos em toda a partida, abriram o placar no primeiro tempo em cobrança de pênalti de Cavani. A virada veio no segundo tempo, liderada por Campbell, que esbanjou categoria e foi eleito o melhor em campo pela FIFA. O resultado pode ter sido considerado a primeira zebra do Mundial, porém, por tudo que ambos os times mostraram nessa tarde, a vitória da Costa Rica foi mais do que justa.

O Uruguai, em situação desfavorável no grupo, enfrenta os ingleses na quinta-feira (19), às 16h (de Brasília), na Arena Corinthians, e precisa vencer de qualquer maneira para ainda sonhar com classificação. A Costa Rica terá pela frente a Itália na sexta (20), às 13h, na Arena Pernambuco. Antes disso, Itália e Inglaterra duelam em Manaus nesta noite, a partir das 19h.

Costa Rican comeback undoes Uruguay
Campbell, que pertence ao Arsenal e foi emprestado para o Olympiacos, foi o nome do jogo.
(Foto: Getty Images)

O jogo

Quem esperava o Uruguai tomar a frente no jogo e partir para cima devido a toda sua tradição em Copas do Mundo, surpreendeu-se. A Costa Rica, única seleção que não é campeã mundial nesse grupo, entrou em campo esperando o adversário ir para o ataque, porém, a partir do momento que isso não aconteceu, o time costarriquenho passou a gostar da partida e incomodar os uruguaios.

Sem mostrar um belo futebol, a seleção uruguaia abriu o marcador. Aos 20 minutos, Diaz agarrou o zagueiro Lugano dentro da área e o árbitro marcou pênalti. Cavani cobrou com categoria e fez 1 a 0. O gol não empolgou os uruguaios, que viram a Costa Rica dominar a partida e quase conseguir o empate. Campbell chutou forte de fora da área aos 26 minutos e a bola passou raspando a trave esquerda de Muslera. Aos 42 minutos, Bryan Ruiz cobrou escanteio, Muslera saiu mal e, com o gol aberto, González não alcançou a bola e perdeu grande chance.

Mesmo atrás no placar, a Costa Rica trocava passes no ataque com maior qualidade. O Uruguai, lento e sem criatividade ofensivamente, insistia em chutões e na ligação direta. Quando colocava a bola no chão e trabalhava a jogada com calma, a seleção celeste mostrava que possuía grande potencial técnico e chegava com perigo. Aos 43 minutos, Forlán chutou colocado, a bola desviou em Duarte e quase enganou Navas; o goleiro costarriquenho se esticou todo e mandou para escanteio.

A bola rolou no segundo tempo e só deu Costa Rica. Aos cinco minutos, Bolaños cobrou falta na cabeça de Duarte, o zagueiro cabeceou e Muslera fez grande defesa; no rebote, Duarte acabou isolando a bola. Quatro minutos depois, Gamboa cruzou da linha de fundo, a zaga rebateu e a bola sobrou para Campbell, livre, estufar as redes. A virada veio aos 12 minutos. Em cobrança de falta, Bolaños colocou na cabeça de Duarte. Desta vez, o zagueiro costarriquenho não perdoou e cabeceou no canto esquerdo de Muslera. Na bola aérea, os uruguaios perdiam todas.

O Uruguai tentou correr atrás do prejuízo, porém, a Costa Rica era soberana. Aos 24 minutos, Cavani cruzou para o meio da área e a zaga afastou para escanteio; Lodeiro cobrou e Cavani cabeceou para linda defesa de Navas. A seleção celeste buscava o empate de forma desesperada, o que não era eficiente e acabava dando espaço aos costarriquenhos que, em um belo contra-ataque, ampliaram. Aos 39 minutos, Marco Ureña recebeu passe majestoso de Campbell e só teve o trabalho de empurrar para o gol na saída do goleiro Muslera.

Aos 49 minutos, faltou fair play ao uruguaio Maxi Pereira. Campbell fazia o tempo passar perto da linha de fundo, quando o lateral chegou chutando o costarriquenho. O juiz não pensou duas vezes e, mesmo com a pressão da equipe do Uruguai, tirou o cartão vermelho do bolso e expulsou Maxi. Essa atitude impensada mostrou como os jogadores celestes estavam perdidos na partida e foram dominados pelo adversário. 

Ficha de jogo:

Uruguai 1 x 3 Costa rica

URUGUAI:
Muslera; Maxi Pereira, Lugano, Godín e Martín Cáceres; Arévalo Ríos, Gargano (Álvaro González), Cristian Rodríguez (Abel Hernández) e Stuani; Edinson Cavani e Diego Forlán (Lodeiro).
Técnico: Martín Silva

COSTA RICA:
Keylor Navas; Michael Umaña, Giancarlo Gonzalez, Oscar Duarte e Christian Gamboa; Celso Borges, Yeltsin Tejeda (Cubero), Junior Diaz e Christian Bolaños (Michael Barrantes); Bryan Ruiz (Marco Ureña) e Joel Campbell.
Técnico: Jorge Luis Pinto

Local: Estádio Castelão, em Fortaleza (CE)
Público: 58.679 pagantes
Data: 14/06/2014
Horário: 16h

Gols: Cavani, aos 21 minutos do primeiro tempo (Uruguai); Campbell, aos oito, Oscar Duarte, aos 12, e Marco Ureña, aos 39 minutos do segundo tempo (Costa Rica)

Árbitro: Felix Brych (Alemanha)
Auxiliares: Mark Borsch e Stefan Lupp (Alemanha)

Cartões amarelos: Lugano, Gargano e Cáceres (Uruguai)
Cartão vermelho: Maxi Pereira (Uruguai).

0 comentários :

Postar um comentário