segunda-feira, 2 de junho de 2014

B.A na Copa #22: Os palcos do Mundial

Dentro do padrão FIFA, os 12 novos estádios do futebol brasileiro só aguardam o apito do árbitro 

De Belo Horizonte.
Por Júlia Alves.

02/06/2014 – Se depender dos estádios, a Copa do Mundo será um verdadeiro espetáculo. Os grandes palcos para o futebol estão prontos e à espera do início dos shows que irão receber. São arenas modernas e inovadoras, desenvolvidas pautadas no conceito de sustentabilidade e se adequando ao famoso "padrão FIFA". Bilhões de reais foram destinados à construção desses estádios, que têm tudo para agradar ao público e aos jogadores.

Metade desses estádios ficaram prontos entre 2012 e 2013 para a Copa das Confederações e já receberam vários jogos. Outros tiveram as obras finalizadas em cima do prazo e receberam poucos eventos, mas todos foram testados e estão aptos a receber as partidas da Copa.


Belo Horizonte – Mineirão

Após uma reforma de quase três anos de duração e que custou 695 milhões de reais, o Mineirão foi o segundo estádio a ficar pronto para a Copa do Mundo, em dezembro de 2012. Tombada pelo patrimônio histórico de Belo Horizonte, a fachada não sofreu alterações em relação ao projeto anterior. Uma esplanada com 80 mil metros quadrados foi construída ao redor do estádio, que inova com construção de uma usina de energia solar, sendo o primeiro de um Mundial a possuir uma estrutura assim.

Mineirão.
(Foto: Portal da Copa)

O Gigante da Pampulha foi um dos estádios mais testados para a Copa, recebendo grandes partidas durante os dois últimos anos, como as disputadas pelo Campeonato Brasileiro, Taça Libertadores e Copa das Confederações. O maior palco do futebol mineiro teve papel importante para a conquista da Libertadores, pelo Atlético (que jogou só a decisão), mas sobretudo do Brasileirão, pelo Cruzeiro.

Nome: Estádio Governador Magalhães Pinto 
Custo: R$ 695 milhões (com a esplanada)
Capacidade anterior: 75.783 assentos
Capacidade atual: 62.160 assentos
Jogos: Colômbia x Grécia (Grupo C - 14/06), Bélgica x Argélia (Grupo H - 17/06),
Argentina x Irã (Grupo F - 22/06), Inglaterra e Costa Rica (Grupo D - 24/06), 1º do Grupo A x 2º do Grupo B (Oitavas de final – 28/06) e uma semifinal (8/7)

Estádio Nacional, o Mané Garrincha.
(Foto: Portal da Copa)

Brasília – Mané Garrincha

O Mané Garrincha, em Brasília, ganhou o título de estádio mais caro dentre os 12 construídos ou reformados para a Copa do Mundo. A antiga estrutura foi totalmente demolida para a construção de um dos maiores estádios brasileiros, com capacidade para quase 71 mil pessoas. Após 1.027 dias de construção, a abertura oficial foi na final do Candangão, o Campeonato Brasiliense, com jogo entre os times Brasiliense e Brasília. O Brasiliense conquistou o seu oitavo título vencendo o Brasília por 3 a 0.

Nome: Estádio Nacional de Brasília (Mané Garrincha)
Custo: R$ 1,566 bilhão
Capacidade anterior: 45.200 assentos
Capacidade atual: 70.824 assentos
Jogos: Suíça x Equador (Grupo E - 15/06), Colômbia x Costa do Marfim (Grupo C – 19/06), Brasil x Camarões (Grupo A – 23/06), Portugal x Gana (Grupo D – 26/06), 1º do E x 2º do F (oitavas de final – 30/06), uma quartas de final (5/7) e a decisão do terceiro lugar (12/07).

Arena Pantanal.
(Foto: Portal da Copa)

Cuiabá – Arena Pantanal

A Arena Pantanal é a única que não possui os quatro cantos fechados. O projeto arquitetônico priorizou a ventilação do estádio, já que o verão cuiabano atinge temperaturas em torno dos 40°C. A capacidade é para 44 mil torcedores, sendo 41.390 assentos durante a Copa do Mundo. As salas exigidas pela Fifa para o Mundial localizadas abaixo das arquibancadas serão retiradas posteriormente, ampliando o espaço para o público. A bola rolou pela primeira vez no palco cuiabano em abril de 2014, no empate sem gols entre Mixto e Santos pela Copa do Brasil.

Nome: Arena Multiuso Governador José Fragelli 
Custo: R$ 525 milhões
Capacidade: 41.390 assentos
Jogos: Chile x Austrália (Grupo B – 13/06), Rússia x Coreia do Sul (Grupo H - 17/06), Nigéria x Bósnia (Grupo F - 21/06) e Japão x Colômbia (Grupo C - 24/06).

Arena da Baixada.
(Foto: Portal da Copa)

Curitiba – Arena da Baixada

O estádio do Atlético-PR foi um dos últimos a ser entregue e, faltando poucos dias para o início da Copa do Mundo, ainda precisa de alguns ajustes. Devido a esse atraso nas obras, a FIFA ameaçou deixar a Arena da Baixada de fora do Mundial. Com a aceleração do ritmo da reforma, a parte interna do estádio ficou pronta para o evento teste, em que o Corinthians venceu o Atlético-PR por 2 a 1, no dia 14 de maio.  

Nome: Estádio Joaquim Américo Guimarães – Arena da Baixada
Custo: R$ 265 milhões
Capacidade anterior:  25 000 assentos
Capacidade atual: 43.981 assentos
Jogos: Irã x Nigéria (Grupo F- 16/06), Honduras x Equador (Grupo E - 20/06), Austrália x Espanha (Grupo B - 23/06) e Argélia x Rússia (Grupo H - 26/06).

Castelão.
(Foto: Portal da Copa)

Fortaleza – Castelão

Primeiro estádio a ficar pronto para a Copa do Mundo, o palco cearense foi entregue em dezembro de 2012. Após a reforma, que durou aproximadamente dois anos para ser finalizada, o Castelão recebeu a primeira partida oficial em 27 de janeiro, na abertura da Copa do Nordeste de 2013. Numa rodada dupla, o Fortaleza enfrentou o Sport e o Ceará pegou o Bahia.

Nome: Estádio Plácido Aderaldo Castelo Branco – Castelão
Custo: R$ 519 milhões
Capacidade: 63.903 assentos
Jogos: Uruguai x Costa Rica (Grupo D - 14/06), Brasil x México (Grupo A - 17/06), Alemanha x Gana (Grupo G - 21/06), Grécia x Costa do Marfim (Grupo C - 24/06), 1º do B x 2º do A (oitavas de final – 29/07) e uma quartas de final (04/07).

Manaus.
(Foto: Portal da Copa)

Manaus – Arena da Amazônia

Com arquitetura inspirada na floresta amazônica, que rodeia a cidade de Manaus, a Arena da Amazônia uniu modernidade e sustentabilidade. Os projetistas do estádio desenharam a Arena em alusão a um cesto de palha indígena carregado de frutas típicas do Brasil. A água da chuva será armazenada para uso posterior nos banheiros ou para a irrigação do gramado. Algumas paredes vegetais contribuirão para a redução dos gastos de energia e para o controle da temperatura dentro do estádio. A nova arena substitui o estádio Vivaldo Lima (Vivaldão), no centro de Manaus.

A construção da Arena da Amazônia foi marcada pela morte de três operários e teve a sua inauguração no dia 9 de março de 2014, em uma partida entre Nacional e Remo. O jogo foi válido pela Copa Verde 2014 e terminou em 2 a 2.

Nome: Arena da Amazônia
Custo: 604 milhões
Capacidade: 44 mil assentos
Jogos: Inglaterra x Itália (Grupo D - 14/06), Croácia x Camarões (Grupo A - 18/06), Portugal x Estados Unidos (Grupo G - 22/06) e Suíça x Honduras (Grupo E - 25/06).

Arena das Dunas.
(Foto: Portal da Copa)

Natal – Arena das Dunas

A Arena das Dunas foi a última dos 12 estádios da Copa do Mundo a ter a suas obras iniciadas, em 15 agosto de 2011. Com o design inspirado nas dunas do Rio Grande do Norte, a Arena já vem sendo considerada uma das mais belas do Mundial. A fachada e a cobertura são integradas e compostas por 20 “pétalas”, projetadas para serem mais altas em um dos lados do estádio, dando a forma e a ideia do movimento das dunas de areia.

Nome: Arena das Dunas
Custo: R$ 417 milhões
Capacidade: 43.000 assentos
Jogos: México x Camarões (Grupo A - 13/06), Gana x Estados Unidos (Grupo G - 16/06), Japão x Grécia (Grupo C - 19/06) e Itália x Uruguai (Grupo D - 24/06).

Beira-Rio.
(Foto: Portal da Copa)

Porto Alegre – Beira-Rio

Com uma cobertura composta por 65 módulos em formato de folhas e a fachada remodelada nas cores do Internacional, o Beira-Rio foi inaugurado antes mesmo das obras estarem acabadas. O maior problema foi a infraestrutura externa, que corre contra o tempo para ficar pronta. Dentro do estádio, foram necessários poucos ajustes, sendo o principal deles sobre a acessibilidade de pessoas com deficiência.

Nome: Estádio José Pinheiro Borda 
Custo: R$ 330 milhões
Capacidade anterior: 48.849 assentos
Capacidade atual: 52 mil assentos
Jogos: França x Honduras (Grupo E - 15/06), Austrália x Holanda (Grupo B - 18/06), Coreia do Sul x Argélia (Grupo H - 22/06), Nigéria x Argentina (Grupo F - 25/06) e o 1º do G x 2º do H (oitavas de final - 30/06).

Arena Pernambuco.
(Foto: Glauber Queiroz/Portal da Copa)

Recife – Arena Pernambuco

A Arena Pernambuco foi erguida do “zero” e concluída em abril de 2013. O espaço tem perfil multiuso. Assim, será utilizado também após o Mundial para jogos de futebol, outras competições esportivas, feiras, convenções e grandes espetáculos. O estádio foi construído em São Lourenço da Mata, município da região metropolitana de Recife, e, ao seu redor, uma nova centralidade urbana será criada para alavancar o desenvolvimento da zona Oeste da região metropolitana.

Nome: Arena Pernambuco
Custo: R$ 532,6 milhões
Capacidade: 46 mil
Jogos: Costa do Marfim x Japão (Grupo C - 14/06), Itália x Costa Rica (Grupo D - 20/06), Croácia x México (Grupo A – 23/06), Estados Unidos x Alemanha (Grupo G - 26/06) e o 1º do D e o 2º do C (oitavas de final - 29/06).

Maracanã.
(Foto: Portal da Copa)

Rio de Janeiro – Maracanã

O Maracanã é considerado o maior palco do futebol brasileiro e receberá a grande decisão da Copa do Mundo. Foram quase três anos fechado para a reforma, que custou mais de um bilhão de reais. A reinauguração do estádio foi realizada no início de 2013, em um amistoso entre Brasil e Inglaterra que ficou empatado por 2 a 2. Durante o último ano, o estádio recebeu vários jogos, inclusive a final da Copa das Confederações.

Nome: Estádio Jornalista Mário Filho
Custo: 1,2 bilhão
Capacidade: 79 mil assentos
Jogos: Argentina x Bósnia (Grupo F - 15/06), Espanha x Chile (Grupo B - 18/06), Bélgica x Rússia (Grupo H – 22/06), Equador x França (Grupo E - 25/06), o 1º do C e o 2º do D (oitavas de final – 28/06), uma quartas de final (04/07) e a final (13/07).

Arena Fonte Nova.
(Foto: Portal da Copa)

Salvador – Arena Fonte Nova

A Arena Fonte Nova ocupa o espaço do estádio Octávio Mangabeira, que foi totalmente demolido. Mas o projeto original foi mantido na construção da nova arena, entregue em abril de 2013. A chamada “abertura da ferradura”, que mede 42 metros de altura e conta com um vão aberto voltado para o Dique do Tororó, foi mantida. Uma arquibancada móvel será usada durante a Copa, o que elevará a capacidade da Fonte Nova para 55 mil pessoas.

Nome: Complexo Esportivo Octávio Mangabeira
Custo: R$ 689,4 milhões
Capacidade: 50 mil assentos
Jogos: Espanha x Holanda (Grupo B - 13/06), Alemanha x Portugal (Grupo G - 16/06), Suíça x França (Grupo E - 20/06), Bósnia e Irã (Grupo F - 25/06), o 1º do H e o 2º do G (oitavas de final 1/07) e uma quartas de final (05/07).

Arena Corinthians.
(Foto: Portal da Copa)

São Paulo – Arena Corinthians

O Itaquerão, a Arena Corinthians, foi um dos últimos estádios a ter suas obras finalizadas e será o primeiro a receber um jogo da Copa do Mundo. A sua inauguração foi no dia 18 de maio, na derrota do Corinthians para o Figueirense por 1 a 0. No dia 12 de junho, a bola rola na arena para a partida de abertura do Mundial, entre Brasil e Croácia. 

Nome: Arena Corinthians
Custo: R$ 1,150 bilhão
Capacidade: 68 mil

Jogos: Brasil x Croácia (Grupo A - 12/06), Uruguai x Inglaterra (Grupo D - 19/06), Holanda x Chile (Grupo B – 23/06), Coreia do Sul x Bélgica (Grupo H – 26/06), 1º do F x 2º do E (oitavas de final – 1/07) e semifinal (09/07).

A série especial volta amanhã, tentando decifrar as causas do insucesso da sempre forte, mas nunca campeã Holanda em Copas do Mundo.

Clique e confira mais matérias da série "B.A. na Copa".

0 comentários :

Postar um comentário