sábado, 17 de maio de 2014

Voltando a gritar

Atlético segura Barcelona e quase 100 mil no Camp Nou e é campeão espanhol após 18 anos

De Belo Horizonte.
Por Bruno Santana.

17/05/2014 - Quem falou que torneio de pontos corridos não pode ter final? Barcelona e Atlético de Madrid fizeram, sim, uma final pela última rodada do Campeonato Espanhol na tarde deste sábado, no Camp Nou, em Barcelona. Com três pontos à frente, o Atlético só precisava empatar para ficar com a taça. Já o time Catalão necessitava da vitória para igualar-se ao rival em número de pontos e ficar com a taça pelo critério de desempate que, no caso do Campeonato Espanhol, é o confronto direto entre as duas equipes. Ficamos com a primeira opção. Lutando muito, o time da capital arrancou um empate na segunda etapa e segurou o Barça e quase 100 mil torcedores para levantar a taça após 18 anos.


A conquista madrilenha foi heroica. O Atlético sofreu duas baixas ainda durante a primeira etapa. Arda Turan e Diego Costa saíram lesionados e, minutos depois, o Barcelona saiu na frente com golaço Alexis Sanchez. No segundo tempo, o Atlético voltou com outra alma, alma de time de Libertadores, como chegou a ficar conhecido aqui no Brasil, e empatou a partida com Godin logo nos primeiros minutos. O Atlético fecha o torneio com 90 pontos, 28 vitórias, seis empates e quatro derrotas, contra 87 pontos de Barcelona e Real Madrid.

Godin marcou o gol do título do Atlético.
(Foto: Reuters)

Com o empate, o time de Madrid levantou seu décimo campeonato espanhol, competição que não vencia desde a temporada 1995/1996. O ano só termina para os colchoneros no próximo sábado (24), quando, às 15h30 (de Brasília), o time de Diego Simeone enfrenta o arquirrival Real Madrid pela grande final da Liga dos Campeões no novo Estádio da Luz, em Lisboa, Portugal.

Já o Barça inicia o pensamento para a próxima temporada. Certo é que o comandante será outro, já que Tata Martino se desligou da equipe.

Baixas colchoneras e Barça na frente

Uma final bastante disputada por duas equipes raramente é um jogo bonito de se ver. O que se viu no primeiro tempo entre Barcelona e Atlético de Madrid foi uma partida presa no meio de campo e bastante truncada. Aos nove minutos, Juanfran foi acionado pela ponta direita e cruzou para a área; Piqué, na pequena área, tirou de mau jeito, quase complicando para o Barça.

A bruxa começou a ficar solta no jogo e ela só foi para um lado, o do Atlético. Aos 13 minutos, em um contra-ataque puxado por Koke, David Villa e Diego Costa, o brasileiro sentiu uma fisgada na coxa e foi substituído por Adrian. Nove minutos depois, aos 21, foi a vez de Arda Turan dividir com Fábregas e sair com dor nas costas. Raúl Garcia entrou em seu lugar. Os dois jogadores contundidos saíram aos prantos dos gramados.

O time de Madrid sentiu as baixas na primeira etapa. O Barça aproveitou para dominar a partida. Aos 29 minutos, Pedro aproveitou sozinho um ótimo cruzamento de Daniel Alves, mas cabeceou por cima da meta do goleiro Courtois. Aos 33, o gol. Fàbregas cruzou pela direita para Messi, que ajeitou de peito; a bola fugiu de seu controle, mas sobrou limpa para Alexis Sánchez soltar uma bomba no alto, indefensável para Cortois: 1 a 0.

Os catalães dominaram o meio de campo e o Atlético só reagiu no final da primeira etapa, mas não conseguiu criar uma chance clara de empate. O Atlético, que desperdiçou duas chances de levantar o troféu nas últimas rodadas, desceu para os vestiários com o vice-campeonato espanhol.

Alma de time de Libertadores

Sangue, eficiência, raça. O Atlético não aceitou condição na qual terminou o primeiro tempo. O que o técnico Diego Simeone fez nos vestiários ninguém sabe, mas os Colchoneros voltaram como um time de Libertadores, definição que Paulo Andrade, da ESPN, deu ao time de Madrid nas quartas de final da Liga dos Campeões quando eliminaram o Barcelona no Vicente Calderón.

No primeiro minuto, David Villa recebeu bola na área, girou e chutou na trave do goleiro Pinto. A pressão continuou e dois minutos depois, aos três, Godin subiu sozinho após cobrança de escanteio e igualou as coisas no Camp Nou: 1 a 1.

Os madrilenhos voltaram para serem campeões e o time da casa não conseguia criar. Tata Martino sacou Pedro e entrou com Neymar, voltando pela primeira vez após contusão.

Aos 18 minutos, o Barcelona chegou ao segundo gol, mas não valeu. Daniel Alves cruzou na área e, após bate-rebate, Messi recebeu impedido e fuzilou para o gol. O trio de arbitragem anulou o gol do argentino. A pressão do Barça continuava, mas esbarrava em uma defesa bem postada que não deixava o time da casa caprichar em seu último toque. Aos 36 minutos, Miranda subiu sozinho, após cobrança de escanteio, e o goleiro Pinto salvou com o pé esquerdo o gol que decidiria de imediato com quem ficaria o título.

A pressão catalã continuava, Daniel Alves tinha espaços para armar jogadas pela direita, mas dentro da área, os madrilenhos sabiam conter o adversário. Fim de jogo e o Atlético de Madrid se sagrou Campeão Espanhol após 18 anos sem levantar a taça.

Ficha do jogo:

Barcelona 1x1 Atlético de Madrid

BARCELONA:
Pinto; Daniel Alves, Piqué, Mascherano e Adriano; Busquets (Song), Fàbregas (Xavi) e Iniesta; Pedro (Neymar), Messi e Alexis Sánchez. 
Técnico: Gerardo Martino 

ATLÉTICO:
Courtois; Juanfran, Miranda, Godín e Filipe Luis; Gabi, Tiago, Koke e Arda Turan (Raúl García); Diego Costa (Adrián López e José Sosa) e David Villa. 
Técnico: Diego Simeone

Local: Camp Nou, em Barcelona (Espanha) 
Público: 96.973
Data: 17/05/2014
Horário: 13h (de Brasília) 

Gols: Alexis Sánchez, aos 33 minutos do primeiro tempo (Barcelona). Godín, aos três minutos do segundo tempo (Atlético de Madrid)

Árbitro: Mateu Lahoz (ESP) 

Cartões amarelos: Piqué, Busquets, Messi e Mascherano (Barcelona); Godín, Tiago, Raúl García e Filipe Luis (Atlético de Madrid)


0 comentários :

Postar um comentário