quinta-feira, 15 de maio de 2014

B.A. na Copa #4: Cabeças de chave "inusitados"

Na quarta matéria da nossa série especial, relembre seleções sem tradição que foram cabeças dos grupos em Copas 

De Belo Horizonte.

Por Frederico Vieira e Arthur Anjos.

15/05/2014 - A Fifa manteve os seus critérios para a definição dos cabeças de chave da Copa do Mundo 2014. Além do país sede (Brasil), as sete melhores seleções colocadas no ranking da entidade no mês de outubro de 2013 garantiram suas posições. Assim, Espanha, Alemanha, Argentina, Colômbia, Bélgica, Suíça e Uruguai ficaram no pote 1 no sorteio. Mas, para os amantes do futebol, as técnicas de seleção da FIFA não são unanimidade. Onde estão a Azzurra, a Holanda e o English Team?  



Em 2014, as seleções teoricamente menos badaladas entre as cabeças de chave são a Suíça, a Bélgica e a Colômbia. A seleção belga e a colombiana chamam mais atenção. Com ótimos jogadores figurando no cenário europeu, ambas podem surgir como surpresas entre os finalistas deste mundial. A seleção sul-americana conta com um ótimo ataque, formado por James Rodrigues (Mônaco - FRA), Cuadrado (Fiorentina - ITA), Jackson Martínez (Porto - POR) e a grande estrela Falcao Garcia (Monaco - FRA), que se recupera de séria cirurgia no joelho esquerdo.

Já a Bélgica é a sensação do momento. Mesmo com uma seleção muito jovem, classificou-se em primeiro nas eliminatórias europeias e de forma invicta. Muitos de seus jogadores fazem sucesso na milionária liga inglesa, como Hazard do Chelsea, Fellaini e Januzaj do Manchester United, Kompany do Manchester City, Mirallas e Lukaku do Everton. Isso somado aos finalistas da Champions League, o goleiro Cortouis e o zagueiro Alderweireld, do Atlético de Madrid. 

A seleção da Suíça corre por fora, com uma seleção teoricamente mais fraca. Conta com o talento de Lichtsteiner, campeão italiano deste ano pela Juventus, e o jovem Shaqiri, do poderoso Bayern Munique.


A Bélgica está pronta para surpreender em 2014.
(Foto: Getty Images)

Essa não é a primeira vez que as cabeças de chave geram polêmica. Separamos para vocês algumas das “zebras” que figuraram nessas relações na história das Copas do Mundo.

1938 (8 cabeças de chave) – Alemanha, Brasil, Cuba, França (país-sede), Hungria, Itália, Suécia e Tchecoslováquia
Destaque para Cuba, o primeiro país caribenho a participar de um Mundial. Foi a primeira e única participação do país, que tradicionalmente tem o vôlei como o esporte mais forte. No mundial, venceram a Romênia por 2 a 1, mas perderam para a Suécia por 8 a 0 e foram eliminados na primeira fase.
Campeão: Itália 
Vice-Campeão: Hungria
Terceiro lugar: Brasil

1954 (8) – Áustria, Brasil, França, Hungria, Inglaterra, Itália, Turquia e Uruguai
Nos dias de hoje, poderíamos estranhar Áustria e Hungria como cabeças de chave. Porém, em 54, na Suíça, as duas seleções eram potências. Destaque para a Turquia, que também era cabeça de chave e participava pela primeira vez do Mundial. Saiu na primeira fase. Conseguiu ganhar apenas um jogo contra a frágil seleção da Coreia do Sul e foi goleada em duas ocasiões: derrotas por 4 a 1 e 7 a 2, ambas para a campeã Alemanha Ocidental, ainda na fase de grupos.
Campeão: Alemanha Ocidental
Vice-Campeão: Hungria
Terceiro lugar: Áustria

1986 (6) – Alemanha, Brasil, França, Itália, México (país-sede) e Polônia.
Os critérios técnicos e geográficos da FIFA fizeram com que a seleção da Polônia fosse a grande surpresa entre os cabeças de chave do mundial daquele ano. Além de ter sido semifinalista do Mundial de 82, a seleção representava o leste europeu. A formula de classificação da Copa do Mundo daquele ano facilitou a vida dos poloneses, que se classificaram em terceiro do grupo F com apenas uma vitória, atrás de Marrocos e Inglaterra. Já nas oitavas, não teve tanta sorte: enfrentou a mágica seleção brasileira de Zico, Sócrates, Falcão, Careca e cia. limitada. Derrota por 4 a 0 e despedida melancólica daquele mundial.
Campeão: Argentina 
Vice-Campeão: Alemanha
Terceiro lugar: França

1990 (6) – Alemanha, Argentina, Bélgica, Brasil, Inglaterra e Itália (país-sede)
Bélgica era a surpresa da vez como cabeça de chave. Porém, quando a bola rolou, as coisas mudaram. A seleção belga se classificou em segundo lugar no seu grupo, ficando atrás só da Espanha. Venceu a Coreia do Sul por 2 a 0, e a tradicional seleção do Uruguai por 3 a 1, e se classificou para as oitavas de final, onde foi eliminada pela Inglaterra. Mas, o jogo não foi fácil. A seleção inglesa venceu por 1 a 0, na prorrogação. A Bélgica se despediu da Copa do Mundo de cabeça erguida e com um bom futebol apresentado durante a competição. Quatro anos mais tarde, a seleção belga voltaria a participar da Copa do Mundo como cabeça de chave, e novamente sairia nas oitavas, mas dessa vez, com um futebol bem menos efetivo do que o de 90.
Campeão: Alemanha 
Vice-Campeão: Argentina
Terceiro lugar: Itália

1998 (8) – Alemanha, Argentina, Brasil, Espanha, França (país-sede), Holanda, Itália e Romênia
Destaque para a Romênia que era a seleção de menor expressão no meio das maiores potências mundiais. Seleção tinha entre seus bons jogadores o zagueiro Petrescu, o atacante artilheiro Moldovan, além do maior jogador romeno de todos os tempos, Gheorghe Hagi. O craque, que teve passagem por Real Madrid, Barcelona e Brescia, chegou à Copa do Mundo com 33 anos e ajudou a sua seleção a se classificar em primeiro do grupo G, que contava com as seleções da Inglaterra, Colômbia e Tunísia. 

A seleção romena protagonizou uma das cenas mais marcantes da história dos mundiais. Após a classificação para a segunda fase da competição, todos os jogadores pintaram seus cabelos de loiro, exceto o goleiro que era careca. Porém, foi eliminado logo nas oitavas pela seleção croata, que fez ótima campanha. O único gol da partida foi marcado por Suker, artilheiro da Copa do Mundo daquele ano.
Campeão: França
Vice-Campeão: Brasil
Terceiro lugar: Croácia

2006 (8) – Alemanha (país-sede), Argentina, Brasil, Espanha, França, Inglaterra, Itália e México
A seleção mexicana figurou entre a seleta lista dos cabeças de chave da Copa do Mundo em 2006, e se tornou a segunda seleção da CONCACAF a alcançar esse feito sem ser o país-sede. O México teve participação discreta na competição, classificou-se na fase de grupos em segundo lugar com apenas quatro pontos, e se despediu na fase seguinte. Derrota para a Argentina por 2 a 1 nas oitavas de final. Naquela oportunidade, a Argentina tinha um ótimo elenco, comandado por Riquelme, Saviola, Tevez e Crespo.
Campeão: Itália  
Vice-Campeão: França
Terceiro lugar: Alemanha

Nossa série continua amanhã com o tema "A evolução do futebol africano". Fique ligado. 

Clique e confira mais matérias da série "B.A. na Copa".

0 comentários :

Postar um comentário