segunda-feira, 26 de maio de 2014

B.A. na Copa #15: Grupo H

Na 15ª matéria da série especial da Copa, analisaremos o grupo H, que tem um candidato a surpreender na competição

De Aracaju/Belo Horizonte.

Por Henrique Ferrera/João Vitor Cirilo.

26/05/2014 - A série "B.A. na Copa" chega a sua 15ª publicação, mostrando detalhes das seleções do grupo H, o último dos grupos da Copa do Mundo. Sem nenhuma seleção de renome, Bélgica, Rússia, Argélia e Coréia do Sul vão brigar pelas duas vagas na fase de mata-mata.



Bélgica: pronta para fazer história

Virou clichê nos últimos anos falar sobre a "ótima geração belga". Mas é inegável que a Bélgica conseguiu formar uma seleção com nomes de muito peso, em várias posições, e com opções de qualidade também no banco de reservas. Os belgas tem um elenco de fazer inveja a vários países considerados grandes.

O ataque é a grande força da equipe: apesar da lesão de Benteke, o trio ofensivo tem tanta qualidade que o técnico Marc Wilmots se dá ao luxo de deixar nomes como o de Mirallas e de Mertens no banco de reservas. De Bruyne e Lukaku são bons jogadores, mas o nome que chama a atenção mesmo é de Hazard. O grande talento desta geração, e que se espera que brilhe no momento decisivo. No meio-campo, um trio de volantes habilidosos faz a transição. Defour, titular por muito tempo, perdeu espaço; além da ausência contestada de Nainggolan, porém, mesmo assim, sobra qualidade na trinca formada por Witsel, Fellaini e Dembélé.

Bélgica vem ao Brasil colocar seu nome na história.
(Foto: François Lenoir / Reuters)
O ponto fraco fica mesmo atrás. E ainda assim, é um ponto fraco que tem nomes como Courtois no gol, Kompany e Vertonghen. A ausência de laterais fez com que Wilmots deixasse uma linha com quatro zagueiros de ofício: Alderweireld na direita, Kompany e Vermaelen - já em fase descendente na carreira -, e Vertonghen na esquerda. Dificilmente veremos jogadas de ultrapassagem pelas pontas. Outro ponto que Wilmots precisa corrigir é uma falta de senso coletivo de seus jogadores, que muitas vezes preferem a jogada individual do que trabalhar a bola.

Os convocados (23):

Goleiros: Thibaut Courtois (Atlético de Madrid), Simon Mignolet (Liverpool) e Koen Casteels (Hoffenheim)

Defensores: Toby Alderweireld (Atlético de Madrid), Anthony van den Borre (Anderlecht), Laurent Ciman (Standard Liège), Vincent Kompany (Manchester City), Daniel van Buyten (Bayern de Munique), Thomas Vermaelen (Arsenal), Nicolas Lombaerts (Zenit) e Jan Vertonghen (Tottenham)

Meias: Axel Witsel (Zenit), Steven Defour (Porto), Marouane Fellaini (Manchester United), Moussa Dembélé (Tottenham), Nacer Chadli (Tottenham), Kevin de Bruyne (Wolfsburg), Adnan Januzaj (Manchester United), Eden Hazard (Chelsea) e Dries Mertens (Napoli)

Atacantes: Romelu Lukaku (Everton), Divock Origi (Lille) e Kevin Mirallas (Everton)

Time-base: Courtois; Alderweireld, Kompany, Vermaelen e Vertonghen; Witsel e Defour; De Bruyne, Fellaini e Hazard; Lukaku. Técnico: Marc Wilmots.

Participação em mundiais: 11

Ranking da FIFA: 12º

Tabela de jogos:
17/06, às 13h: Bélgica x Argélia, no Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
22/06, às 13h: Bélgica x Rússia, no Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
26/06, às 17h: Coréia do Sul x Bélgica, na Arena Corinthians, em São Paulo (SP)

Argelinos confiam na sua geração sub-23
(Foto: AFP)

Argélia: Geração jovem quer surpreender

É quase impossível que a Argélia vá longe na Copa do Mundo, mas o treinador Vahid Halihodzic resolveu lutar com jogadores mais jovens. Ficaram de fora nomes como o meia Karim Ziani, de 31 anos, dando lugar a novos atletas como o atacante Feghouli, de 24 anos e que defende o Valencia, e o volante Saphir Taider, da Internazionale. O destaque do time é Islam Slimani, atacante do Sporting Lisboa. 

A seleção argelina não vinha bem antes das eliminatórias, sem empolgar na Copa do Mundo na África do Sul e na Copa Africana de Nações, mas melhorou no classificatório, vencendo cinco dos seus jogos na fase de grupos e, nos playoffs, eliminando Burkina Faso, segunda colocada na Copa Africana 2013.

Halihodzic confia muito na sua geração /91 que tem Feghouli, Ghoulam, Brahimi, Ghilas e Boudebouz como grandes nomes. Mas jogadores mais jovens como Taïder, Bentaleb e Belfodil estão aí para provar seu valor no mundial.

Os convocados (30):

Goleiros: Rais M'bolhi (CSKA Sofia), Mohamed Zemmamouche (USM Alger), Ezzdine Doukha (USM El Harrach), Mohamed Cdric (CS Constantine)

Defensores: Essaid Belkalem, Madjid Bougherra (livre), Lyassine Cadamuro (Real Mallorca), Faouzi Ghoulam (Napoli), Rafik Halliche (Academica Coimbra), Nacereddine Khoualed (USM Alger), Aissa Mandi (Stade de Reims), Mehdi Mostefa (Ajaccio), Carl Medjani (Valenciennes FC), Djamel Mesbah (Livorno)

Meias e volantes: Nabil Bentaleb (Tottenham), Ryad Boudebouz (Bastia), Yacine Brahimi (Granada), Adlene Guedioura (Crystal Palace), Amir Karaoui (ES Setif), Medhi Lacen (Getafe CF), Saphir Taider (Inter de Milão), Hassen Yebda (Udinese)

Atacantes: Rafik Djebbour (Nottingham Forest), Abdelmoumen Djabou (Club Africain), Sofiane Feghouli (Valencia CF), Ryad Mahrez (Leicester City), Islam Slimani (Sporting Lisboa), Hilal Soudani (Dínamo Zagreb), Foued Kadir (Stade Rennais) e Nabil Ghilas (Porto).


Participação em mundiais: 3

Ranking da FIFA: 25º

Tabela de jogos:
17/06, às 13h: Bélgica x Argélia, no Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
22/06, às 16h: Coréia do Sul x Argélia, no Beira Rio, em Porto Alegre (RS)
26/06, às 17h: Argélia x Rússia, na Arena da Baixada, em Curitiba (PR)
 


Rússia já viveu dias melhores, mas quer passar de fase.
(Foto: Denis Tyrin/AP)
Rússia: esperançosa, mas não muito

A seleção russa já teve momentos melhores. A geração que surpreendeu na Euro-2008 já entrou em descendente e deu espaço a outros jogadores, mas dentre estes, poucos são protagonistas no futebol europeu, muito graças à grande importação de jogadores estrangeiros por Zenit e CSKA, as grandes forças do futebol russo. Apesar de tudo, o técnico Fabio Capello conseguiu montar um time bem homogêneo, sem grandes discrepâncias entre defesa, meio e ataque.

Akinfeev não chegou a ser o que se esperava, mas é um goleiro consolidado e de qualidade, mas trabalha demais, pois é protegido por uma linha de defensiva um pouco envelhecida, principalmente pelos zagueiros Ignashevich e Vasily Berezutskiy. Já não é tão novo também Shirokov, que comanda a trinca do meio-campo, sendo o principal articulador para o trio de ataque, formado por Samedov, Kokorin e Zhirkov. Dzagoev e Denisov, tecnicamente os melhores jogadores da equipe, foram deixados de lado no onze inicial por Capello.

Os convocados (30):

Goleiros: Igor Akinfeev (CSKA), Yuri Lodygin (Zenit) e Sergey Ryzhikov (Rubin Kazan)

Defensores: Alexander Anyukov (Zenit), Alexey Berezutskiy (CSKA), Vasili Berezutskiy (CSKA), Vladimir Granat (Dynamo Moscou), Andrey Eshchenko (Anzhi Makhachkala), Sergey Ignashevich (CSKA), Alexey Kozlov (Dynamo Moscou), Dmitry Kombarov (Spartak Moscou), Andrey Semenov (Terek Grozny) e Georgi Schennikov (CSKA)

Meiocampistas: Vladimir Bystrov (Anzhi Makhachkala), Yuri Gazinskiy (Krasnodar), Denis Glushakov (Spartak Moscou), Igor Denisov (Dynamo Moscou), Alan Dzagoev (CSKA), Yury Zhirkov (Dynamo Moscou), Alexey Ionov (Dynamo Moscou), Pavel Mogilevets (Rubin Kazan), Alexander Samedov (Lokomotiv Moscou), Victor Fayzulin (Zenit), Oleg Shatov (Zenit) e Roman Shirokov (Krasnodar)

Atacantes: Artem Dzyuba (Rostov), Maxim Kanunnikov (Amkar Perm), Alexander Kerzhakov (Zenit), Alexander Kokorin (Dynamo Moscou) e Pavel Pogrebnyak (Reading)

Participação em mundiais: 2

Ranking da FIFA: 18º

Tabela de jogos:
17/06, às 19h: Rússia x Coréia do Sul, na Arena Pantanal, em Cuiabá (MT)
22/06, às 13h: Bélgica x Rússia, no Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
26/06, às 17h: Argélia x Rússia, na Arena da Baixada, em Curitiba (PR)

Coreanos não devem fazer bom papel no Brasil.
(Foto: EFE)
 Coréia do Sul: 2002 nunca mais

Até 2002, a Coréia do Sul ia à Copa ser saco de pancadas. Mas quando fez a festa em casa, se aproveitou da força da torcida e de bons jogadores como Park Ji-Sung e Ahn Jung-Hwan e foi quarta colocada. A partir daí, a Coréia foi mostrando certa qualidade, mas 2002 é um ponto muito distante desta seleção de 2014. Alguns poucos jogadores ainda se destacam no futebol alemão, como Koo Ja-Cheol no Mainz 05, e Son Heung-Min, no Leverkusen.

O treinador xxx preferiu não levar o veterano Lee Dong-Gook. Além dele, outra referência de 2002, o maior jogador coreano da história, Park Ji-Sung, acertou sua aposentadoria e também não vem ao Brasil. Com a seleção montada, a Coréia do Sul tem tudo para voltar a ser aquela seleção pré-2002, que não assustava ninguém.

Os convocados (23):

Goleiros: Jung Sung-Ryong (Suwon Bluewings), Kim Seung-Gyu (Ulsan Hyundai) e Lee Bum-Young (Busan IPark)

Defensores: Kim Jin-Su (Albirex Niigata), Kim Young-Gwon (Guangzhou Evergrande), Yoon Suk-Young (QPR), Hwang Seok-Ho (Hiroshima Sanfreece), Hong Jeong-Ho (Augsburg), Kwak Tae-Hi (Al Hilal), Lee Yong (Ulsan Hyundai), Kim Chang-Su (Kashiwa Reysol)

Meias: Ki Sung-Yueng (Sunderland), Ha Dae-Sung (Beijing Guoan), Han Kook-Young (Kashiwa Reysol), Park Jong-Woo (Guangzhou R&F), Kim Bo-Young (Cardiff City), Lee Chung-Yong (Bolton Wanderers), Ji Dong-Won (Augsburg) e Son Heung-Min (Bayer Leverkusen)

Atacantes: Koo Ja-Cheol (Mainz 05), Lee Keun-Ho (Sangju Sangmu), Park Chu-Young (Watford) e Kim Shin-Wook (Ulsan Hyundai)

Participação em mundiais: 8

Ranking da FIFA: 55º

Tabela de jogos:
17/06, às 19h: Rússia x Coréia do Sul, na Arena Pantanal, em Cuiabá (MT)
22/06, às 16h: Coréia do Sul x Argélia, no Beira Rio, em Porto Alegre (RS)
26/06, às 17h: Coréia do Sul x Bélgica, na Arena Corinthians, em São Paulo (SP)


Amanhã, a série especial sobre a Copa do Mundo volta para falar sobre os campeões ao longo da história do mundial.

0 comentários :

Postar um comentário