quinta-feira, 22 de maio de 2014

B.A. na Copa #11: Grupo D

Na 11ª matéria da série especial da Copa, analisaremos o grupo D, o grupo da morte

De Aracaju.
Por Henrique Ferrera.

22/05/2014 - Depois do grupo C, chegou a hora do grupo mais disputado da competição: o D, que tem três seleções que já levantaram a taça de campeão. Na matéria de número 11 da série "B.A. na Copa", conheceremos mais sobre as seleções da Inglaterra, Itália, Uruguai e Costa Rica.

  

 Uruguai: força ofensiva e nada mais

Depois de reaparecer como protagonista na Copa de 2010, o Uruguai quer chegar mais longe no Brasil e sonha com a segunda versão do Maracanazzo. Mas não será fácil: Suárez e Cavani carregam nos ombros uma seleção enfraquecida, que já não rende mais como em tempos passados.

O grande trunfo dos uruguaios não poderia ser outro senão o ataque. Apesar de Diego Forlán estar amargando a reserva, já em uma fase descendente da carreira, o ataque é muito bem formado por Luís Suárez e Edinson Cavani, uma das melhores duplas de ataque do mundo. No gol, Fernando Muslera, apesar de não ter a plena confiança da torcida, é um bom goleiro; e Diego Godín chega ao mundial em excelente fase, após a magnífica temporada no Atlético de Madrid.

Uruguai tem no ataque seu grande trunfo.
(Foto: EFE)




Mas apesar do ataque fantástico, a equipe vive uma grande carência nos outros setores. Maxi Pereira e Martín Cáceres são apenas regulares nas laterais, e Diego Lugano, capitão da equipe, não é nem de longe o zagueiro que outrora brilhou no São Paulo, sendo inclusive dispensado após ser reserva do West Bromwich. Mas é no meio-campo o pior dos problemas: sem um camisa 10, o Uruguai recorreu a dois meias abertos, Cristian Rodríguez e Álvaro González, que tem sobre seus ombros a responsabilidade de abastecer o ataque. E fica pior na cabeça de área: o Uruguai sofre com a falta de qualidade dos seus volantes, sobrando para os fracos Arévalo Ríos e Diego Pérez oferecer proteção à fragilizada defesa.

Os convocados (25):

Goleiros: Fernando Muslera (Galatasaray), Martín Silva (Vasco) e Rodrigo Muñoz (Libertad)

Defensores: Diego Lugano (sem clube), Diego Godín (Atlético de Madrid), José María Giménez (Atlético de Madrid), Martín Cáceres (Juventus), Maxi Pereira (Benfica), Jorge Fucile (Porto) e Sebástian Coates (Nacional)

Meiocampistas: Arévalo Ríos (Morelia), Walter Gargano (Lazio), Alejandro Silva (Lanús), Gastón Ramírez (Southampton), Cristian Rodríguez (Atlético de Madrid), Nicolás Lodeiro (Botafogo), Sebastián Eguren (Palmeiras), Álvaro González (Lazio), Álvaro Pereira (São Paulo) e Diego Pérez (Bologna)

Atacantes: Edinson Cavani (Paris Saint Germain), Luís Suárez (Liverpool), Diego Forlán (Cerezo Osaka), Abel Hernández (Palermo) e Christian Stuani (Espanyol)

Participação em mundiais: 11

Posição no ranking da FIFA:

Tabela de jogos:
14/06, às 16h: Uruguai x Costa Rica, no Castelão, em Fortaleza (CE)
19/06, às 16h: Uruguai x Inglaterra, na Arena Corinthians, em São Paulo (SP)
24/06, às 13h: Itália x Uruguai, na Arena das Dunas, em Natal (RN)

Costa Rica é a grande zebra do grupo.
(Foto: Moisés Castillo/AP)
Costa Rica: sem forças pra surpreender

Apesar de presença constante nas últimas Copas, a Costa Rica ainda não mostrou uma qualidade suficiente para avançar à fase de mata-mata. E depois do sorteio das chaves, a impressão é de que não será em 2014 que este panorama vai mudar.



O time concentra suas forças principalmente na parte ofensiva. O atacante Bryan Ruíz, apesar de nunca ter se firmado no futebol europeu, ainda é o grande nome da seleção; e sua parceria de ataque com Joel Campbell, jogador do Arsenal emprestado ao Olympiakos, rende bons frutos à seleção. O técnico Jorge Luís Pinto ainda conta com o veterano Alvaro Saborío na reserva. No gol, o momento é de Keylor Navas, um dos melhores goleiros do Campeonato Espanhol, tendo feito duas ótimas temporadas pelo Levante.



O resto de sua defesa, porém, é composta por jogadores mais fracos, que jogam em campeonatos menores como o norueguês ou a MLS. O meio-campo é composto de jogadores jovens como Yeltsin Tejeda e Marcos Ureña, apesar do desfalque de Bryan Oviedo, outro destaque da equipe, que dá lugar a Júnior Díaz.

Os convocados (30):

Goleiros: Keylor Navas (Levante), Patrick Pemberton (Alajuelense), Daniel Cambronero (Herediano) e Esteban Alvarado (AZ Alkmaar)

Defensores: Johnny Acosta (Alajuelense), Giancarlo González (Columbus Crew), Michael Umaña (Saprissa), Oscar Duarte (Brujas), Waylon Francis (Columbus Crew), Heiner Mora (Saprissa), Júnior Díaz (Mainz 05), Christian Gamboa (Rosenborg), Roy Miller (RB New York) e Kendall Waston (Saprissa)

Meiocampistas: Celso Borges (AIK), Christian Bolaños (Kobenhavn), Oscar Esteban Granados (Herediano), Michael Barrantes (Alesund), Yeltsin Tejeda (Saprissa), Diego Calvo (Valerenga), José Miguel Cubero (Herediano), Carlos Hernández (Wellington Phoenix), Ariel Rodríguez (Alajuelense) e Hansell Arauz (Saprissa)

Atacantes: Álvaro Saborío (Real Salt Lake), Bryan Ruíz (PSV Eindhoven), Joel Campbell (Olympiakos), Randall Brenes (Cartaginés), Marco Ureña (Kuban Krasnodar) e Jairo Arrieta (Columbus Crew)


Participação em mundiais: 3

Posição no ranking da FIFA: 34º

Tabela de jogos:
14/06, às 16h: Uruguai x Costa Rica, no Castelão, em Fortaleza (CE)
20/06, às 13h: Itália x Costa Rica, na Arena Pernambuco, em Recife (PE)
24/06, às 13h: Costa Rica x Inglaterra, no Mineirão, em Belo Horizonte (MG)

English Team aposta nos jovens do Liverpool.
(Foto: Efrem Lukatsky/AP)

Inglaterra: aposta na renovação

Depois de anos de fracassos, a Inglaterra finalmente assumiu a bandeira da renovação. Roy Hodgson abriu mão de vários veteranos, e começou a colocar jovens jogadores no English Team. Mas a dúvida ainda permanece: será que a Inglaterra consegue fazer uma campanha digna do país que inventou o futebol?

A aposta de Hodgson é no momento do Liverpool. A boa campanha dos Reds na Premier League, aliado ao fato de ter vários ingleses no elenco, acabou sendo fundamental para que ela virasse a base do time titular, com cinco dos onze titulares. Na visão do técnico, o entrosamento acabou sendo mais importante do que a habilidade técnica, pois jogadores como Jack Wilshere, Frank Lampard e James Milner acabaram perdendo espaço. Hodgson também montou uma equipe extremamente ofensiva, em um 4-2-3-1, que muitas vezes vira um 4-2-4, tamanha a intensidade da equipe.

Intensidade que se dá graças aos novos jogadores trazidos pelo técnico: Sterling, Henderson, Welbeck, Sturridge, Barkley, Wilshere, Phil Jones, Smalling, Oxlade-Chamberlain e Luke Shaw - todos com 24 anos ou menos. Apesar da renovação estar caminhando, existe a dúvida se os jogadores do Liverpool renderão igualmente na seleção, e quem entre os reservas é capaz de mudar uma partida tão sob pressão como acontece na Copa do Mundo. O termômetro da equipe será, como sempre, Wayne Rooney, o comandante do setor ofensivo; e Steven Gerrard, o capitão da equipe dará a tranquilidade necessária lá atrás.

Os convocados (23):

Goleiros: Joe Hart (Manchester City), Ben Foster (West Bromwich Albion) e Fraser Forster (Celtic)

Defensores: Leighton Baines (Everton), Gary Cahill (Chelsea), Phil Jagielka (Everton), Glen Johnson (Liverpool), Phil Jones (Manchester United), Luke Shaw (Southampton), Chris Smalling (Manchester United)

Meiocampistas: Ross Barkley (Everton), Steven Gerrard (Liverpool), Jordan Henderson (Liverpool), Adam Lallana (Southampton), Frank Lampard (Chelsea), James Milner (Manchester City), Alex Oxlade-Chamberlain (Arsenal), Raheem Sterling (Liverpool) e Jack Wilshere (Arsenal)

Atacantes: Rickie Lambert (Southampton), Wayne Rooney (Manchester United), Daniel Sturridge (Liverpool), Daniel Welbeck (Manchester United)

Participação em mundiais: 12

Posição no ranking da FIFA: 11º


Tabela de jogos:
14/06, às 19h: Inglaterra x Itália, na Arena da Amazônia, em Manaus (AM)
19/06, às 16h: Uruguai x Inglaterra, na Arena Corinthians, em São Paulo (SP)
24/06, às 13h: Costa Rica x Inglaterra, no Mineirão, em Belo Horizonte (MG)

Itália conta com um time forte para buscar o penta.
(Foto: figc.com)

Itália: aposta na camisa

A Itália vem chegando sempre desacreditada nos últimos anos. Foi assim em 2010, quando saiu na primeira fase, mas também foi assim em 2006, quando foi campeã. A Azzurra tem camisa, e é bom não descartar os comandados de Cesare Prandelli, que tem bons jogadores à disposição para tentar igualar ao Brasil em número de títulos.

A 'Squadra Azzurra' pode não ter nenhum craque, ninguém que consiga decidir um jogo sozinho, mas tem uma seleção homogênea, com bons jogadores em todas as posições (exceção feita à lateral direita, talvez). Apesar da temporada claudicante de Gianluigi Buffon, o veterano goleiro ainda cumpre bem seu papel, e não vai querer se despedir da seleção de maneira trágica. A falta de opção nas laterais fez com que Gabriel Paletta fosse naturalizado e colocado junto aos defensores juventinos Andrea Barzagli e Giorgio Chiellini, este último improvisado na lateral esquerda. Christian Maggio é o ponto fraco da seleção, principalmente pela incapacidade defensiva.

A trinca de volantes mostra combatividade aliada à boa saída de bola com os alvinegros Andrea Pirlo e Claudio Marchisio fazendo companhia ao eterno Daniele de Rossi, símbolo da seleção. Riccardo Montolivo tem a função de servir a dupla de ataque formada por Mario Balotelli e se em plena forma estiver, Giuseppe Rossi. Incrivelmente, a Itália, composta sempre por uma defesa forte, tem inúmeras opções ofensivas para substituir Rossi, como Ciro Immobile, Alessio Cerci e Antonio Cassano.

Os convocados (30):

Goleiros: Gianluigi Buffon (Juventus), Salvatore Sirigu (Paris Saint Germain) e Mattia Perin (Genoa)

Defensores: Ignazio Abate (Milan), Andrea Barzagli (Juventus), Leonardo Bonucci (Juventus), Giorgio Chiellini (Juventus), Matteo Darmian (Torino), Mattia de Sciglio (Milan), Christian Maggio (Napoli), Gabriel Paletta (Parma), Manuel Pasqual (Fiorentina) e Andrea Ranocchia (Internazionale)

Meiocampistas: Alberto Aquilani (Fiorentina), Antonio Candreva (Lazio), Daniele de Rossi (Roma), Claudio Marchisio (Juventus), Riccardo Montolivo (Milan), Marco Parolo (Parma), Andrea Pirlo (Juventus), Thiago Motta (Paris Saint Germain), Rômulo (Hellas Verona) e Marco Verratti (Paris Saint Germain)

Atacantes: Mario Balotelli (Milan), Antonio Cassano (Parma), Alessio Cerci (Torino), Mattia Destro (Roma), Ciro Immobile (Torino), Lorenzo Insigne (Napoli) e Giuseppe Rossi (Fiorentina)

Participação em mundiais: 18

Posição no ranking da FIFA:

Tabela de jogos:
14/06, às 19h: Inglaterra x Itália, na Arena da Amazônia, em Manaus (AM)20/06, às 13h: Itália x Costa Rica, na Arena Pernambuco, em Recife (PE)
24/06, às 13h: Itália x Uruguai, na Arena das Dunas, em Natal (RN)

Amanhã, a série especial sobre a Copa do Mundo volta para falar sobre o Grupo E, que tem Suíça, Equador, Honduras e França.


Clique e confira mais matérias da série "B.A. na Copa".

0 comentários :

Postar um comentário