segunda-feira, 12 de maio de 2014

B.A. na Copa #1: Os mandantes

Abrindo nossa série especial da Copa, trazemos o desempenho de todos os países que sediaram o torneio

De São Paulo e Belo Horizonte.
Por Eduardo do Carmo e João Vitor Cirilo.

12/05/2014 - A partir de hoje, a um mês da Copa do Mundo 2014, você confere uma série especial aqui no Boleiros da Arquibancada. Todos os dias, o "B.A. na Copa" chega com histórias, curiosidades e informações gerais sobre o maior torneio esportivo do mundo. Nesta primeira edição, que tal falarmos sobre a situação que o Brasil voltará a viver este ano? Vamos bater um papo sobre os mandantes em todas as edições da Copa. Será que jogar em casa foi fator decisivo para a maioria dos times?



Começamos com o Uruguai, sede da primeira Copa do Mundo, em 1930. Bicampeã Olímpica (1924 e 28), a Celeste entrou como favorita e não decepcionou. Com 100% de aproveitamento, os uruguaios conquistaram o primeiro título em Copas. Após passar por Peru e Romênia na primeira fase, o Uruguai goleou a Iugoslávia por 6 a 1 na semifinal e a Argentina (4 a 2) na decisão.

A Itália repetiu a dose e foi campeã como mandante em 1934. Em meio ao fascismo de Mussolini, a propaganda autoritária foi muito explorada. Os italianos golearam os EUA nas oitavas de final, eliminaram a Espanha nas quartas, derrotaram a Áustria nas semifinais e fizeram 2 a 1 sobre a Tchecoslováquia na final. 

A edição de 34 contou com algumas curiosidades. Foi a primeira Copa em que os países tiveram que disputar as eliminatórias (inclusive a Itália). O Uruguai, atual campeão, se recusou a jogar em boicote aos europeus que desprezaram o primeiro Mundial. Com isso, os uruguaios foram os primeiros campeões fora da Copa posterior, e os italianos, os únicos anfitriões que disputaram eliminatórias.

A regra virou exceção no ano de 1938, quando a França recebeu a competição e ficou nas quartas de final. Os franceses foram eliminados pela Itália, que seria bicampeã contra a Hungria. Por conta da Segunda Guerra, não houve Copa em 1942 e 46. No retorno, em 1950, o episódio mais traumático do Brasil na história dos Mundiais. Em casa, no Maracanã, a Seleção Brasileira perdeu para o Uruguai na partida decisiva do quadrangular final e foi vice-campeã. O famoso ''Maracanaço''.

Outros três anfitriões não completaram o ciclo em seu quintal. A Suíça, em 1954, foi eliminada pela Áustria nas quartas de final. A campeã foi a Alemanha Ocidental, que fez 3 a 2 na final contra a Hungria. Em 58, ainda na Europa, a Suécia foi vice-campeã ao perder para o Brasil por 5 a 2. O Chile recebeu a Copa de 62 e teve muita dor de cabeça por causa do Brasil. Na semifinal, os chilenos deram adeus ao Mundial com derrota para a seleção Canarinho por 4 a 2. Os brasileiros foram bicampeões diante da Tchecoslováquia.

A Inglaterra foi a responsável por quebrar essa série de resultados negativos dos donos da casa. Em 1966, o English Team bateu a Alemanha Ocidental por 4 a 2. O México, em 1970, até teve bom desempenho na primeira fase, mas foi eliminado pela Itália nas quartas de final. Na decisão, os italianos perderam por 4 a 1 para o Brasil.

Dois grandes selecionados receberam a Copa do Mundo e não desperdiçaram a chance. O primeiro, em 1974, foi a Alemanha Ocidental, que venceu a Holanda por 2 a 1 na final. A Laranja Mecânica também foi vítima na decisão de 1978. No Mundial da Argentina, os Hermanos foram campeões com 3 a 1.

Em 1982, a Espanha foi eliminada na segunda fase. No grupo 2, perdeu para a Alemanha Ocidental e empatou com a Inglaterra. A Itália foi a campeã e os alemães ficaram com a segunda colocação. A Copa do Mundo voltou para o México em 1986. Mais uma vez, os mexicanos saíram nas quartas de final. Após empate sem gols no tempo normal e na prorrogação, a seleção mexicana perdeu para a Alemanha Ocidental por 4 a 1 nas penalidades.

A Itália também foi sede do Mundial pela segunda vez, em 1990, e ficou com a terceira posição. Derrota para a Argentina na semifinal e vitória na disputa pelo bronze contra a Inglaterra. Em 1994, os Estados Unidos foram os mandantes. Em jogo bem disputado, nas oitavas de final, revés para o Brasil por 1 a 0, gol de Bebeto. Os brasileiros seriam tetracampeões, nos pênaltis, contra os italianos.

A última seleção campeã em casa foi a França, em 1998. O título foi conquistado contra o Brasil. 3 a 0 com gols de Zidane (2) e Petit. Em 2002, algo inédito: duas sedes. Enquanto o Japão foi eliminado nas oitavas de final pela Turquia (1 a 0), a Coreia do Sul foi a quarta colocada. Os coreanos sofreram derrotas para a Alemanha na semifinal e Turquia na disputa pelo terceiro lugar. O Brasil foi campeão diante dos alemães. Ronaldo marcou os dois gols do título.

A Alemanha foi sede em 2006 e teve a chance de recuperação em seus domínios. Porém, foi a terceira colocada. Na prorrogação da semifinal, perdeu para a Itália por 2 a 0. Na disputa pelo bronze, triunfo por 3 a 1 contra Portugal. Os italianos foram campeões em cima da França.

Na última Copa, em 2010, o pior desempenho dos mandantes. A África do Sul não passou da fase de grupos. No primeiro mundial em solo africano, a Espanha conquistou o título inédito contra a Holanda.

BALANÇO

Assim, seis seleções mandantes foram campeãs em 19 edições disputadas, o que representa menos de 1/3. Apenas a África do Sul foi eliminada na primeira fase, enquanto as demais ao menos passaram da primeira fase. Sob o comando de Felipão, o Brasil espera aumentar o número a favor das seleções anfitriãs e não desperdiçar a chance, como ocorrera em 1950.

Amanhã, aqui no Boleiros da Arquibancada, a série "B.A. na Copa" prossegue. Dessa vez, o tema é "Brasil de todas as Copas", e falaremos sobre todas as participações do Brasil em Copas do Mundo. Fique ligado.

0 comentários :

Postar um comentário