quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Incontestável

De Belo Horizonte.
Por João Vitor Cirilo.

"A torcida do Cruzeiro não aceita Marcelo Oliveira. Atleticano, aqui não!"

"Abram o olho com o Corinthians! Fluminense também está entre os favoritos"

"Talvez o Cruzeiro seja apenas um bom candidato à surpresa"

"Ricardo Goulart é jogador de time pequeno"

"Bruno Rodrigo? Reserva de Durval e Edu Dracena?"

"Ninguém conhece esse Nilton"

"Cruzeiro trazendo uma barca de jogadores. Nem sempre é essa a fórmula do sucesso"


Foto: Washington Alves/VIPCOMM

Cito acima apenas algumas frases ditas no início da temporada (algumas delas eu concordei, inicialmente). Porém, aos pouquinhos, o Cruzeiro foi trabalhando, quieto, sob o comando de um treinador que demonstra qualidade desde os tempos de interino no Atlético. Marcelo Oliveira, assim como Cuca do outro lado, tem agora em seu currículo uma grande conquista que o credencia a ser um dos principais técnicos do país. Ele merece os parabéns. Um cara que eu torcia para dar certo no Galo, há muito tempo, mas por arrogância e falta de reconhecimento de alguns, não conseguiu obter sucesso. Teve que sair, buscar valorização em outros quintais, para voltar a Minas Gerais e levantar seu primeiro caneco de peso.

O presidente Gilvan, outro muito contestado no início do ano, conseguiu montar uma bela equipe. Bancou Marcelo, e com a ajuda dos outros membros da diretoria, fez pontuais e interessantíssimas contratações. Quem diria que William seria moeda de troca por mandar o ineficiente Diego Souza para a Ucrânia? E o Cruzeiro ainda levou uma boa grana...

Mas talvez ninguém mereça mais esse título do que Fábio. Ninguém defendeu essa camisa como ele nos últimos tempos. Ninguém salvou tanto o Cruzeiro em momentos ruins como ele. Ninguém foi tão injustiçado, nunca lembrado pelos comandantes da seleção brasileira. Esse título é seu, Fábio. Comemore.

E o torcedor azul já estava cansado de esperar uma grande conquista, que não vinha há dez anos. Voltar a gritar depois de tanto tempo de seca, ainda mais vendo o rival se tornar o principal time do continente, tem sabor especial. Toda a festa é merecida.

E, juntamente com o título da Libertadores (e quem sabe do mundo?) do Galo, esse Brasileirão é a consolidação de um futebol mineiro mais forte. Parabéns, Atlético e Cruzeiro. 2013 é de vocês.

Ah, assim que o campeonato acabar, fecharemos a revista do campeão, trazendo detalhes da campanha, com fichas de todos os jogos, textos e outros destaques sobre a conquista. Fique ligado.

Por um futebol mineiro mais forte!

0 comentários :

Postar um comentário