terça-feira, 19 de novembro de 2013

A queda da Bastilha

De forma inédita, França reverte vantagem da Ucrânia e carimba o passaporte para o Brasil em 2014

De Belo Horizonte.
Por Júlia Alves.

19/11/2013 - Com um espírito heroico, a seleção francesa entrou em campo como se fosse protagonizar uma revolução. Determinados e agressivos, os jogadores franceses fizeram o que muitos consideravam impossível e derrubaram a tão temida defesa ucraniana. No primeiro jogo, em Kiev, a Ucrânia conseguiu o placar de 2 a 0 sobre a França e levou uma ótima vantagem para o confronto final no Stade de France, em Paris. O time francês teria que vencer por três gols de diferença para garantir sua vaga na Copa de 2014. Essa missão se tornou ainda mais difícil porque o adversário possui como grande trunfo uma defesa sólida, já que tomou apenas quatro gols em todo torneio eliminatório. Apesar dos aperitivos do jogo, a França venceu por 3 a 0 merecidamente pelo volume de jogo imposto e está garantida na próxima Copa.

Nos demais jogos da repescagem europeia, Portugal fez 3 a 2 e eliminou a Suécia, que havia perdido também o primeiro jogo por 1 a 0, a Croácia fez 2 a 0 na Islândia e avançou, e a Grécia segurou a Romênia, empatou em 1 a 1, e também estará no Brasil no ano que vem, já que venceu o primeiro jogo por 3 a 1.

Foto: AFP

O jogo

Só a vitória interessava para a França, e não era uma vitória simples. A seleção francesa precisava vencer por três gols de diferença para carimbar o seu passaporte para a Copa do Mundo de 2014 no Brasil, por isso não podia perder tempo. Desde o princípio da partida, imprimiu um forte ritmo, pressionando a Ucrânia. Aos três minutos, Benzema cruzou da direita. A bola cruzou toda a área e sobrou limpa para Valbuena. O meia bateu colocado, mas o goleiro Pyatov fez uma defesa espetacular.

O time ucraniano jogava compacto e com a defesa fechada, o que criava muita dificuldade para a infiltração francesa. No entanto, com o estádio lotado, a torcida não deixou de acreditar e dar força, sendo o verdadeiro 12º jogador que empurrou a França em busca do resultado. Os Bleus foram superiores durante todo o primeiro tempo, mas só abriram o placar os 21 minutos. Depois de cobrança de falta, Ribéry chutou forte da entrada da área, o goleiro deu rebote, e Sakho empurrou para o gol.

E quem falou que só a arbitragem brasileira é protagonista de grandes erros? Aos 29 minutos, Ribéry fez outra grande jogada pela esquerda e cruzou na medida para Benzema. O atacante, bem atrás do zagueiro ucraniano, completou para o fundo das redes, mas a arbitragem errou assinalando impedimento. Se na primeira falha a França foi prejudicada, a segunda foi em seu benefício, validando um gol ilegítimo. Após chute de fora da área, aos 33 minutos, Benzema, em posição irregular, desviou para marcar o segundo gol francês.

Tudo igual no agregado. Agora, quem fizesse o gol poderia liquidar a partida que, se terminasse com esse resultado, iria para a prorrogação. Essa nova perspectiva do jogo fez com que as duas equipes ficassem mais cautelosas. Entretanto, logo no primeiro minuto do segundo tempo, um lance que foi preponderante para o andamento do confronto: o zagueiro Khacheridi, que já tinha amarelo, deu uma entrada duríssima em Ribéry e recebeu outro amarelo, sendo expulso.

Com a vantagem numérica, a França voltou a pressionar e aos poucos ia se aproximando da Copa do Mundo. O time francês criava muitas oportunidades claras de balançar as redes, porém, o terceiro gol veio de uma falha ucraniana. Após rebote do goleiro, Matuidi chutou cruzado, a bola desviou no zagueiro Gusev, que mandou contra o próprio patrimônio. Nessa altura do jogo, a Ucrânia já estava abalada psicologicamente e buscava o ataque de forma desordenada, decretando o fim do sonho de participar da Copa.

Pela primeira vez na história das eliminações europeias, um time consegue reverter uma desvantagem de dois gols. Os jogadores franceses honraram a camisa da seleção e conseguiram, de forma heroica, uma vaga para a Copa do Mundo. A França fez valer o fator casa e a tradição no futebol para se impor e conquistar esse feito. A seleção ucraniana bateu mais uma vez na trave da classificação, mas ficou de fora do principal torneio de seleções.
  
Ficha de jogo:

França 3 x 0 Ucrânia

FRANÇA:
Lloris; Debuchy (Sagna), Varane, Sakho e Evra; Pogba, Matuidi, Cabaye e Valbuena; Ribéry e Benzema (Giroud).
Técnico: Didier Deschamps

UCRÂNIA:
Pyatov; Mandzyuk, Khacheridi, Rakitskiy e Shevchuk; Bezus (Gusev), Rotan, Yarmolenko e Edmar; Konoplyanka e Zozulya (Seleznov).
Técnico: Mykhailo Fomenko

Local: Stade de France, em Paris (França)
Data: 19/11/2013

Gols: Sakho, aos 21, Benzema, aos 33 minutos do primeiro tempo, e Gusev, aos 27 minutos do segundo tempo (contra)

Cartões amarelos: Sakho e Evra (França); Rotan, Khacheridi e Shevchuk (Ucrânia)
Cartão vermelho: Khacheridi (Ucrânia)

0 comentários :

Postar um comentário